Para construir um futuro mais sustentável, é preciso avaliar os impactos ambientais que causamos diariamente. Por isso para cuidar da Natureza, atitudes como: alterar os hábitos de consumo, separar corretamente, questionar a disposição final dos resíduos após o descarte, bem como se responsabilizar pela destinação correta do lixo, são essenciais.

Neste blogpost, você vai conhecer o verdadeiro destino dos resíduos no Brasil, como a disposição inadequada afeta o Meio Ambiente e como você pode fazer a diferença no Planeta dando a destinação correta ao lixo.

PRODUÇÃO E DESTINO DO LIXO NO BRASIL

A ABRELPE (Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais), publica anualmente o Panorama de Resíduos Sólidos, em seu mais recente levantamento, a associação apontou que, em relação a geração de resíduos:

“Durante o ano de 2020, tendo alcançado um total de aproximadamente 82,5 milhões de toneladas geradas, ou 225.965 toneladas diárias. Com isso, cada brasileiro gerou, em média, 1,07kg de resíduos por dia”

Panorama de Resíduos Sólidos, Abrelpe, 2021

No Panorama, também é possível ver os índices sobre a coleta seletiva comum de 2020, que aponta que a cobertura foi de 92,2% de resíduos domiciliares coletados nas regiões que possuem essa política pública.

Mas após o descarte e coleta seletiva, para onde vai o lixo? Segundo a ABRELPE, a disposição final dos resíduos se divide em aterros sanitários e lixões. Estes dados revelam o cenário do lixo em nosso país, mas a verdade é que estamos longe de dar o destino adequado e muito menos, que são uma opção sustentável.

Por isso, é preciso refletir que, após o descarte, o lixo não desaparece. Embora existam diversos tipos de materiais, cada um possui um tipo de degradação, liberando ou não gases, nocivos à Natureza e aos seres humanos. Confira dois dos destinos mais comuns:

LIXÕES

Com aproximadamente 3 mil lixões ativos no Brasil, os lixões são áreas localizadas à céu aberto, onde são depositados todos os tipos de resíduos. Neste local não há controle ou tratamento, e qual o problema já que diversos materiais se degradam naturalmente?

Devido à contaminação entre os resíduos, é comum que haja produção de chorume tóxico, esse processo é decorrente da falta de tratamento adequado e afeta a qualidade do solo, do ar e da água. Quando este líquido se infiltra no solo, por exemplo, pode atingir os lençóis freáticos, tornando a água que bebemos imprópria para consumo.

Segundo a ISWA (International Solid Waste Association), nosso país gasta cerca de R$1,5 bilhão anualmente com o sistema de saúde pública por conta dos lixões. Ainda, estima-se que aproximadamente 1% da população desenvolve doenças devido à destinação inadequada dos resíduos sólidos.

ATERROS SANITÁRIOS

Em contraste aos lixões, os aterros sanitários são áreas controladas e que, em teoria, possuem um solo preparado para evitar contaminação das áreas adjacentes.

Neste ambiente, embora haja monitoramento da produção de chorume, da emissões de gases, entre outros, devido a sobrecarga dos aterros sanitários, nem todos os tipos de lixo recebem o tratamento adequado para uma decomposição sustentável.

Isso acontece pela separação incorreta dos resíduos, muitos dos materiais que estão nestes locais, poderiam e deveriam ser reaproveitados, retornados à cadeia de produção e reutilizados, mas ao invés disso, aumentam a poluição do Planeta.

Separar o lixo é suficiente?

A separação do lixo é um fator fundamental para mudarmos o cenário de poluição, principalmente se for feita da maneira correta, mas somente separar não é suficiente! Atualmente, no Brasil, apenas 4% dos resíduos considerados recicláveis, são reciclados. Isso acontece, em boa parte, devido a falta de higienização prévia, que acaba por contaminar os materiais, bem como a falta de informação.

Se você quer conhecer mais sobre a separação dos resíduos e aumentar as chances dos materiais serem reciclados, criamos um material gratuito para você, baixe o e-Book “Aprenda a separar o seu ‘lixo’ da forma correta”.

Qual o destino correto para o lixo?

 RESÍDUOS RECICLÁVEIS

Estes resíduos são mais conhecidos como “lixo que não é lixo”. Entretanto, podem ser reutilizados através da reciclagem, este tipo de resíduo se apresenta em diversas formas, veja abaixo:

Lista de Resíduos Recicláveis

Para este tipo de lixo, a destinação correta são as cooperativas de reciclagem, que atuam na coleta, triagem e valorização dos materiais recicláveis. Se você mora em Curitiba, a boa notícia é que a cidade possui 40 Associações de Catadores que realizam este serviço e colaboram para a economia circular, confira aqui.

REJEITOS

Os rejeitos são todos aqueles resíduos que não podem ser reciclados e nem compostados. O destino correto para estes materiais é a coleta seletiva comum e por fim o aterro sanitário. Veja quais são eles:

Lista de Rejeitos

ESPECIAIS

Os resíduos especiais são todos aqueles que necessitam de tratamento especial, por possuírem uma alta capacidade de dano ao Meio Ambiente ou a população. O destino adequado aos resíduos especiais são os projetos de reciclagem.

Lista de Resíduos Especiais

RESÍDUOS ORGÂNICOS

Normalmente são descartados incorretamente como “lixo comum”, sendo destinados à coleta seletiva
da cidade. Esse descarte é incorreto e prejudica o Meio Ambiente, para evitar os impactos sociais e ambientais negativos, a destinação correta é compostagem!

A compostagem é um processo de valorização do resíduo orgânico. Portanto, o que antes era considerado lixo, se transforma em adubo e fertilizante, produtos que são ricos em nutrientes e que fortalecem o solo.

Se você quer conhecer mais sobre o que é compostagem, os benefícios ao Meio Ambiente e como funciona o nosso trabalho, é só clicar aqui. Veja abaixo o que pode ir na compostagem que praticamos aqui na Composta+:

Lista “Pode ou Não Pode?” Composta+