fbpx
Uncategorized

Tipos de compostagem

Mais da metade do lixo que produzimos é considerado orgânico, como os restos de alimentos. Esse lixo vai parar nos aterros sanitários ou até mesmo lixões, onde se decompõe de forma totalmente errada, causando mau cheiro, e atraindo animais que podem causar muitas doenças.

A compostagem, que é uma técnica bastante antiga e muito conhecida (falamos sobre a história da compostagem no último post – volta lá pra conferir), é capaz de reciclar o “lixo” orgânico. A compostagem é um processo natural e biológico, que valoriza a matéria orgânica, através da degradação da mesma, transformando-a em um material muito rico em nutrientes e fértil.

Existem basicamente dois tipos de compostagem: a vermicompostagem e a termofílica. Como sempre rolam muitas dúvidas, principalmente no que difere cada um desses processos, vamos explicar um pouquinho sobre cada método.

Primeiro, existe a VERMICOMPOSTAGEM, que é o processo no qual as minhocas e os micro-organismos trabalham juntos. As minhocas fragmentam a matéria orgânica e facilitam o trabalho de decomposição feita pelos micro-organismos. O substrato formado neste tratamento é o húmus, um fertilizante muito rico.

Parece ser simples, mas a vermicompostagem exige alguns cuidados como o controle da temperatura, da umidade, do pH, e o arejamento deve ser verificado regularmente. Se esse controle não for feito de forma adequada, o ambiente se torna desfavorável para as minhocas. Essas condições ruins podem levar à perda da atividade reprodutora das minhocas, levá-las à morte, ou até mesmo provocar a fuga delas, caso o recipiente não esteja bem fechado.

Os resíduos também devem ser bem selecionados, pois alguns alimentos podem ser prejudiciais às minhocas, como carnes, peixes, frituras, alimentos ácidos e/ou temperados por exemplo.

Temos também a compostagem TERMOFÍLICA, ou conhecida também como compostagem SECA.  É um processo um pouco mais lento, pois apenas os micro-organismos, fungos e bactérias serão os responsáveis pela decomposição da matéria orgânica, que deve ser misturada com material seco, como folhas, serragem, palha, etc). Esse método exige oxigênio, por isso o conteúdo deve ser remexido com frequência.

A compostagem seca não é tão restritiva quanto ao processo com as minhocas, todo tipo de matéria orgânica pode ser compostada, e é exatamente esse processo que a COMPOSTA + utiliza.

Agora que você já entendeu a diferença entre os processos, que tal começar a compostar?

Leave a Reply

Open chat